ECG Módulo 6 | WiDoctor
WiDoctor

ECG Módulo 6

 

 

Laudos

1) Ritmo sinusal

FC x bpm

Eixo a + 80⁰

ECG normal

2) Ritmo sinusal

FC 75 bpm

Eixo a – 30⁰

 

3) Taquicardia sinusal

FC 130 bpm

Eixo a + 60⁰

 

4) Taquicardia sinusal

FC 130 bpm

Eixo a + 60⁰

 


Agora que já conhecemos o básico da interpretação de um ECG normal, podemos prosseguir para o estudo de suas alterações. O módulo de hoje será sobre hipertrofias.

 

Como já discutido anteriormente, a hipertrofia auricular pode ser observada pelo exame atento da onda P. Aprendemos a medir a onda P em DII, sendo que sua referência é 2,5 mm de amplitude e de largura. Relembrando: se uma altura maior, significa sobrecarga de átrio direito; se uma largura maior, significa sobrecarga de átrio esquerdo.

Observe os traçados a seguir, sendo o primeiro um exemplo de SAE e o segundo, de SAD:

 

 

 

 

Entretanto, alguns autores também preconizam a análise da onda P na derivação V1. Faz-se a seguinte interpretação: na hipertrofia auricular, a onda P será difásica em V1; se hipertrofia de átrio direito, o componente inicial será maior; se hipertrofia de átrio esquerdo, o componente terminal será maior. Observe as imagens.

          

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 Quanto aos ventrículos, a hipertrofia ventricular esquerda (HVE) gera complexos QRS que estão aumentados tanto em altura quanto em profundidade, principalmente nas derivações precordiais. Se a profundidade (em mm) da onda S em V1, somada à altura da onda R (em mm) em V5 ou V6 (usa-se a de maior amplitude) for maior que 35 mm, então sugere HVE (é o índice de Sokolov-Lyon).

Outras alterações que podem ser observadas no contexto da HVE são a presença de sobrecarga atrial esquerda (consequente à sobrecarga ventricular) e o desvio do eixo elétrico para a esquerda (devido a uma maior massa do ventrículo hipertrofiado).

Existe uma onda T característica da HVE: onda T invertida com uma vertente descendente gradual e outra de retorno muito rápido à linha de base (significa sobrecarga sistólica), melhor observada nas derivações esquerdas (V5, V6, DI e aVL). Pode também se apresentar como um infra desnivelamento do segmento S-T.

                                                     

 

Uma observação importante é a possível presença de imagens em espelho. Derivações opostas daquelas que apresentam sobrecarga sistólica (e infra de S-T) podem nos mostrar um supra de S-T, mas sem significado patológico. Para não confundirmos com um IAM devemos sempre estar atentos para os protagonistas de qualquer consulta: a entrevista médica e a história do paciente.

 Segue um exemplo de um paciente com sobrecarga ventricular esquerda:

 

 

Na hipertrofia ventricular direita (HVD), existe uma grande onda R na derivação V1 que se torna progressivamente menor nas derivações precordiais seguintes. Ocorre, portanto, alteração da transição elétrica normal. Também poderemos observar sobrecarga sistólica (infra S-T + T negativa e assimétrica) nas derivações direitas, sobrecarga atrial direita e desvio do eixo elétrico para a direita.

       


Agora um exemplo de uma paciente com sobrecarga de ventrículo direito:

 

               

Leia atentamente os quadros abaixo e busque revisar o que já discutimos até então.

 

HVE

                – Índice de Sokolow-Lyon: V1 ou V2 (maior S) + V5 ou V6 (maior R)  35 mm (7 quadrados);

                                * Atenção: isoladamente, não é critério para HVE.

                – Sobrecarga sistólica: infra ST + T negativa e assimétrica (observar as derivações esquerdas: V5, V6, DI e aVL);

                – Sobrecarga atrial esquerda (SAE);

                – Eixo para a esquerda.

 

 

HVD

                – Crescimento da onda R em V1 (R  S);

                – Sobrecarga sistólica nas derivações de VD (V1, V2 e V3);

                – Sobrecarga atrial direita (SAD);

                – Eixo para a direita.

 

 

Exercícios

A seguir, alguns traçados para praticarmos nossa interpretação das hipertrofias. Não se esqueça de realizar a interpretação completa, seguindo todos os passos descritos até aqui. E não deixe de anotar seus laudos! Uma boa semana a todos.

 

1)

 

 

2)

 

 

3)

 

 

4)

 

 

5)

 

6)

Sobre Igor Torturella

Acadêmico de medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

© Copyright 2012-2015 - WiDoctor. Todos os direitos reservados.