CTI – Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) – Parte 3 | WiDoctor
WiDoctor

CTI – Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) – Parte 3

  • Celso Alves Neto
  • 04/09/2014

 


     Esse é o PRINCIPAL foco! Vale a pena dar uma lida! Seja bem vindo!!!

     Hoje daremos continuidade ao módulo de RCP, enfocando as compressões, ponto crucial destacado na diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia para uma ressuscitação de alta qualidade. 

 

 

     Como conversamos no artigo anterior (RCP – Parte 2), o posicionamento e o ritmo durante as compressões são pontos chave durante o socorro. Assim, além do que já foi lembrado no nosso esquema acima, devemos nos atentar para:

  • Posicionamento do socorrista: ao lado da vítima, mantendo seus joelhos separados a uma distância que lhe proporcione estabilidade.
  • O tórax do socorrido deve estar exposto (desnudo).
  • As mãos do socorrista devem estar entrelaçadas, apoiando-se a região hipotenar da mão inferior sobre o esterno da vítima.
     

     
  • Os braços devem estar ESTENDIDOS (muita atenção) e posicionados aproximadamente a 90º sobre a vítima.
  • E para não esquecer:

                  -100/minuto. Essa é a frequência de compressão MÍNIMA!

                  -Em adultos, a profundidade MÍNIMA de compressão deve ser de  5 cm!

                  -Deve haver o retorno TOTAL do tórax depois de CADA compressão, mantendo, contudo, o contato das mãos com o tórax!

                  -MINIMIZAR as interrupções nas compressões!

     Caso haja mais de um socorrista na cena, deve-se fazer o revezamento, a cada 2 minutos, a fim de se garantir a qualidade das compressões!

O Excesso de ventilação deve ser evitado!

 

     As manobras devem ser realizadas sem interrupção. No entanto, em alguns casos, ela pode ser feita, tais como: fase de análise do desfibrilador, chegada da equipe de resgate, exaustão do socorrista, se houver movimentação da vítima e posicionamento de via aérea avançada (por exemplo, intubação endotraqueal, combitube, máscara laríngea). Nesse último caso, faça compressões contínuas e implemente de 8 a 10 ventilações por minuto (uma ventilação a cada 6 a 8 segundos).

     No próximo artigo falaremos rapidamente sobre ventilação e detalharemos um pouco mais a desfibrilação, destacando os ritmos cardíacos e sua influencia no processo de RCP. Continue conosco e até a próxima! 

 

Celso Neto

 

Bibliografia

1. Kundra P, Dey S, Ravishankar M. Role of dominant hand position during external cardiac compression. Br J Anaesth. 2000;84(4):491-3.

2. Kusunoki S, Tanigawa K, Kondo T, Kawamoto M, Yuge O. Safety of the inter-nipple line hand position landmark for chest compression. Resuscitation. 2009;80(10):1175-80.

3. Babbs CF, Kemeny AE, Quan W, Freeman G. A new paradigm for human resuscitation research using intelligent devices. Resuscitation. 2008;77(3):306-15.  

4. Arq. Bras. Cardiol. vol.101 no.2 supl.3 São Paulo Aug. 2013

5. I Guideline for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care – Brazilian Society of Cardiology: Executive Summary

6. American Heart Association. Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE. [versão em Português].

 

 

Sobre Celso Alves Neto

© Copyright 2012-2015 - WiDoctor. Todos os direitos reservados.